2008-01-18

Lei do Tabaco nas Discotecas


Sobre a aplicação da Lei do Tabaco nas Discotecas, hoje, no sítio da Direcção-Geral da Saúde, foi divulgado o Comunicado à Imprensa que transcrevemos:

“No dia 17 de Janeiro de 2008 os dirigentes da Associação Nacional de Discotecas foram recebidos na Direcção-Geral da Saúde.

Concluiu-se:

1. Uma discoteca não corresponde a um estabelecimento de restauração e bebidas com espaço de dança;

2. Enquadra-se, antes, no conceito de “recintos de diversão ou recintos destinados a espectáculos de natureza não artística”, pelo que se inclui no âmbito da alínea l) do n.º1 do artigo 4.º da nova Lei do Tabaco que estabelece a proibição de fumar;

3. Isto significa, na prática, que em vez de ser aplicável às discotecas a possibilidade de se criarem áreas expressas com quotas até ao limite de 30% ou 40%, conforme as situações, nos termos previstos nos n.os 5, 6 e 7 do artigo 5º da Lei do Tabaco, só poderão ser criadas áreas destinadas a fumadores que naturalmente não poderão atingir aquelas percentagens;

4. Com efeito, a proibição de fumar é a regra. A criação de áreas para se fumar é a excepção, condicionada ao cumprimento de requisitos de sinalização, separação física ou ventilação e extracção de ar previstos na Lei, de forma a evitar que o fumo se espalhe e a proteger dos efeitos do fumo trabalhadores e clientes não fumadores;

Por conseguinte, a excepção não pode ser superior à regra, pois tal seria subverter o sentido da Lei.

Lisboa, 18 de Janeiro de 2008

O Director-Geral da Saúde

Francisco George”

.........................

NC: Observamos que o sublinhado é da nossa responsabilidade.

…………………
Ilustração: Fotografia recolhida em Mais Saúde .


4 comentários:

Bloteigas disse...

Ora bem... então não sendo uma discoteca um estabelecimento de restauração e bebidas com espaço de dança, andamos desde 1997 a licenciar actividades ao abrigo de diplomas errados.
Tal como no antigo DL 168/97, sujeito a inúmeras alterações, também o actual DL 234/2007 faz referência a este tipo de actividades. Por outro lado, o DR 4/99, que ainda se mantém em vigor, alterou o DR 38/97 inclusive nesta matéria referindo-se que "(...) podem utilizar a denominação de 'discoteca' os estabelecimentos de bebidas que disponham de salas ou espaços destinados a dança (...)". Este DR manter-se-á em vigor até à publicação de um outro que está previsto no artigo 5.º do DL 234/2007. Se a partir dessa altura uma discoteca deixar de poder ser classificada como estabelecimento de restauração e de bebidas com espaço de dança, tudo bem. Até lá, parece-me que alguém se equívocou.
Seremos nós?

teessea disse...

Não me parece que haja um equívoco mas uma interpretação conveniente, para a aplicabilidade da “Lei do Tabaco” – uma expressão curiosa … – nas discotecas, enquanto estabelecimentos licenciados pelo Decreto-Lei Nº 309/2002, de 16 de Dezembro, que “Regula a instalação e o financiamento de recintos de espectáculos (…)”.

Todavia, neste diploma, o Número 7 do Artigo 10º – Licença de Utilização, estabelece inequivocamente que “A licença de utilização dos recintos em que, simultaneamente e com carácter de prevalência, se desenvolvam as actividades de restauração e de bebidas, obedece ao regime previsto no Decreto-Lei Nº 168/97, de 4 de Julho, com as especificidades estabelecidas no presente diploma”.

Uma interpretação muito conveniente, mas…

Sílvia disse...

Olá Duarte,

Penso que o comunicado não se refere ao regime de licenciamento do DL 309/2002, mas sim do DL 315/95.

Sílvia disse...

Troquei os DL!!